Trio exigiu R$ 1 milhão para liberar fazendeiro na Bahia, diz polícia

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
0 9

Os homens suspeitos de sequestrar um fazendeiro no município de Catu, na Região Metropolitana de Salvador, foram apresentados à imprensa nesta sexta-feira (12/1). Marcos Paulo Santana Cardoso, 25 anos, Ednaldo de Jesus Rosário, 29 e Gabriel do Nascimento Santana, 22, foram presos momentos antes de embarcar para o Rio de Janeiro.
Durante a coletiva, o diretor adjunto do Departamento de Policia do Interior (Depin), Cristiano Mangueira, contou que o grupo, formado por seis pessoas, sequestrou o fazendeiro, de 49 anos, na zona rural de Catu, no dia 6 de janeiro, e o levaram para o cativeiro, em Pojuca, onde a vítima ficou por cinco dias ate ser libertada.

“A família esteve na delegacia de Catu informando que estavam sendo extorquidos ainda no primeiro dia do sequestro. Os investigadores da unidade policial passaram a negociar com os criminosos para reduzir o valor da quantia pedida por eles, de R$ 1 milhão”, destacou Mangueira.

Dois dias depois do início do sequestro, equipes do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) foram acionadas e assumiram as negociações. De acordo com o delegado da unidade, Paulo Roberto Guimarães, os policiais começaram a realizar o reconhecimento de campo, nos municípios de Catu e Pojuca.

“Depois que a negociação terminou e a vítima já estava em local seguro, os investigadores começaram a realizar incursões na área onde o resgate foi pago, na BA-099”, explicou o delegado. Todos os presos nesta ação possuem passagem pela polícia. Gabriel por tentativa de homicídio a um vereador no interior da Bahia e tráfico de drogas, Ednaldo por porte ilegal de arma de fogo e Marcos possui um mandado em aberto por roubo, no Rio de Janeiro.

Parte do dinheiro entregue aos criminosos foi recuperado e será devolvido a família. O valor não foi divulgado pela polícia. Um veículo, modelo astra, também foi apreendido e passará por perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT). A polícia ainda trabalha na identificação dos demais comparsas do grupo.

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Comente com o Facebook

Post a Comment

Your email is never published nor shared.

Name *
Email *
Website
Comment *