Jogador é espancado durante jogo e cogita deixar o futebol

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterEmail this to someone
0 64

Trauma: “desagradável experiência emocional de tal intensidade, que deixa uma marca duradoura na mente do indivíduo”. A descrição é oriunda do dicionário, mas há quem nem precise pesquisar o significado. Esse é o caso do jovem Matheus Galvão, de apenas 18 anos.

Vítima de um espancamento coletivo na final do Campeonato Amazonense juvenil, no sábado, o zagueiro do Sulão, que chegou a desmaiar no gramado, revelou choque e admitiu, inclusive, que cogita pendurar as chuteiras.

Essa é a pergunta que vem na minha cabeça todo dia (se segue ou não no futebol). Acredito que tenha sido um livramento, que Deus me deu mais uma oportunidade de sobreviver. Estou atrás da minha resposta. Se devo continua, ir atrás do meu sonho de vida, ou parar de jogar, porque foi um livramento – disse.

Em conversa por telefone com o GloboEsporte.com, Matheus disse que ainda sente muitas dores na cabeça, principal ponto das agressões. O jovem relembrou a “surra”, mencionou ”medo de morrer” e destacou que não perdoa os agressores.

Após ficar desacordado e ser encaminhado ao hospital, o jovem recebeu alta no mesmo dia. Ele segue tomando antibiótico contra as dores, mas o procedimento, de acordo com, não tem surtido efeito. As noites de sono são ruins e, ainda segundo o jovem, novas consultas serão realizadas. Sequelas não são descartadas

– To sentindo dores na cabeça devido as pancadas que levei. Estou tomando muito antiboótico para ver se passa as dores, fui no médico fazer a tomografia, e eles acham que pode ter danificado alguma coisa na minha cabeça. Estão mandando eu voltar lá. Estão avaliando, estou com dificuldades para dormir – finalizou.

24 Horas News

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do Portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Comente com o Facebook

Post a Comment

Your email is never published nor shared.

Name *
Email *
Website
Comment *